10/20/2015

Essas são realmente megaestruturas alienígenas? Como os astrônomos planejam investigar


Observadores do céu têm notado algo “bizarro” nos dados do caça-planeta telescópio Kepler. Localizada a 1.480 anos-luz de distância, uma estrela chamada KIC 8462852 tem algo grande circulando ao seu redor, e não é um planeta.

Normalmente, quando um planeta passa na frente de uma estrela, ele obscurece a sua luz por algumas horas ou dias, em seguida, desaparece e retorna novamente depois de concluir sua rotação anual em torno do seu sol. Mas, a luz desta estrela em particular tem esmaecido por até 80 dias de cada vez, e em intervalos irregulares. Isso não é nenhum planeta.

Também não é provável que seja um coágulo de poeira e rochas. Esses tipos de discos de detritos são conhecidos apenas por ocorrerem em torno de estrelas jovens, e esta estrela não é nenhuma jovem. Além disso, detritos geralmente emitem radiação infravermelha extra, o que não é o caso. Os dados foram validados pela equipe do Kepler, e o telescópio estava funcionando bem quando recolheu os dados.

Isso deixa apenas algumas explicações possíveis. Uma delas é que talvez uma estrela errante tenha puxado cometas estrangeiros para dentro da órbita em torno da estrela. Tal fenômeno é provavelmente raro. “É um pouco forçado”, diz Andrew Siemion, cientista do centro SETI de Berkeley. O(s) objeto(s) misterioso(s) estão bloqueando até 20% da luz da estrela, que é muito, muito mais do que até mesmo um planeta do tamanho de Júpiter bloquearia.

Siemion e dois outros astrônomos sugeriram uma explicação alternativa que pode ser ainda menos provável do que os cometas, mas ainda muito intrigante: Talvez a luz da estrela esteja sendo bloqueada por enormes peças de arquitetura alienígena.

Estamos sozinhos?

Tanto quanto sabemos, a vida pode ter evoluído uma única vez no universo. Temos apenas um estudo de caso, o que não nos diz muito sobre o que é preciso para criar vida a partir do nada, ou quantas vezes isso pode acontecer em outros mundos.

Suponha que a vida surgiu em outro lugar. Quais são as chances de que iria evoluir para seres tecnologicamente avançados, inteligentes? Em 1961, o astrônomo Francis Drake escreveu uma equação para ajudar a estimar o número de civilizações inteligentes na Via Láctea.


A maioria das variáveis ​​não podem ser preenchidas – é um experimento mental mais do que qualquer coisa – mas mostra que as chances de desenvolvimento de vida inteligente são, provavelmente, escassas.

No entanto, agora que o telescópio Kepler descobriu mais de 1.000 planetas em torno de outras estrelas, os cientistas calculam que provavelmente há bilhões de planetas em nossa galáxia. Mesmo que a vida inteligente seja um evento extremamente raro, a enorme multidão de mundos oferece uma infinidade de oportunidades para a natureza rolar os dados.

Esferas de Dyson

Conforme as civilizações se tornam mais tecnologicamente avançadas, elas se tornam mais famintas por energia. O físico Freeman Dyson fez a hipótese de que, eventualmente, civilizações alienígenas poderiam tornar-se tão avançadas que elas precisariam aproveitar toda a energia de uma estrela, talvez revesti-la totalmente com coletores solares. Alguns cientistas acreditam que a procura por essas chamadas esferas de Dyson poderia nos levar a extraterrestres inteligentes.


Outras versões do conceito incluem enxames de Dyson, que em vez de englobar toda a estrela em coletores solares, a rodeiam em uma ou algumas órbitas. Este tipo de estrutura não iria bloquear tanta percentagem da luz da estrela.

Siemion e seus colegas Jason Wright e Tabetha Boyajian acham que há uma chance de que uma estrutura como essa possa estar bloqueando a luz da CCI 8462852. E não teria necessariamente de ser painéis solares quaisquer, diz Wright. Se há uma estrutura lá, ela poderia ser um telescópio ou algum tipo de habitação.

O astrobiólogo da NASA, Chris McKay, diz que a hipótese “certamente soa interessante e deve ser seguida”, embora ele acrescente a ressalva de que ele não estuda estrelas ou inteligência extraterrestre.

Lynne Hillenbrand, uma astrônoma que estuda estrelas no Caltech, diz: “Eu acho que o velho ditado “afirmações extraordinárias exigem provas extraordinárias” provavelmente se aplica aqui.”

Procurando a evidência

Para testar sua hipótese, a equipe espera para prestar atenção aos intrigantes sinais de vida em torno da KIC 8462852. Eles solicitaram um tempo no telescópio Green Bank, em West Virginia. Eles estarão competindo com outros cientistas que querem usar o telescópio gigante para responder a outras perguntas de pesquisa. Se sua aplicação for selecionada, no próximo ano a equipe irá apontar a antena de 100 metros do telescópio para KIC 8462852 e examinar os sinais de rádio emitidos por aquela região.



Usando a tecnologia que está sendo desenvolvida para o projeto Breakthrough Listen – com investimento de US $ 100 milhões na busca por vida extraterrestre, no qual Siemion está envolvido – os pesquisadores vão detectar as ondas de rádio provenientes da KIC 8462852 e dividi-las em vários comprimentos, semelhante a um prisma que separa a luz branca em seus componentes do arco-íris.

Na natureza, os elétrons se movem aleatoriamente, produzindo uma confusão de ondas de rádio, diz Siemion. Mas a tecnologia, ou pelo menos a tecnologia terráquea, tende a liberar uma grande quantidade de energia em uma estreita faixa de frequências, e durante curtos espaços de tempo.

Após o “prisma” (que é realmente apenas um computador) separar as ondas de rádio da KIC 8462852 em diferentes frequências, “vamos olhar para cada canal em relação aos outros”, diz Siemion, “e ver se há uma grande quantidade de energia em apenas uma frequência. “

“Se nós ouvirmos estreitas faixas de emissões de rádio moduladas provenientes dessa estrela, eu não posso imaginar qualquer outra explicação”, diz Wright, astrônomo da Universidade Estadual da Pensilvânia. Nenhum fenômeno natural conhecido cria uma assinatura de rádio assim. Mas, o universo é grande o suficiente para conter muitas incógnitas.

Jon Jenkins da equipe do Kepler diz que nunca viu nada parecido com o que está acontecendo na KIC 8462852, mas “não é incomum para os novos fenômenos serem recebidos com uma explicação chamando por extraterrestres e mais tarde provarem ser devidos a fenômenos naturais mais mundanos, porém novos.”

Siemion assinala que quando o primeiro pulsar foi descoberto em 1961, foi dada a designação LGM-1, devido a “little green men” (homenzinhos verdes). Como faróis do universo, essas estrelas girando emitem ondas de rádio e outras radiações eletromagnéticas em intervalos regulares.

Em um discurso, o co-descobridor do pulsar Jocelyn Bell Burnell disse uma vez: “Nós realmente não acreditamos que tínhamos pego sinais de outra civilização, mas, obviamente, a ideia tinha cruzado nossas mentes e nós não tivemos nenhuma prova de que isso era uma emissão de rádio inteiramente natural”. Agora, sabemos que existem pelo menos 1.800 pulsares, e a hipótese alienígena foi descartada.

Se KIC 8462852 estiver emitindo frequências de rádio intrigantes, Boyajian, Siemion e Wright vão explorar ainda mais usando um telescópio mais sensível – o Very Large Array, no Novo México.

Analisando a luz da estrela usando espectroscopia diferencial também poderia nos dizer algo sobre do que a sombra misteriosa da estrela é feita, diz Wright. “Medimos a luz da estrela quando está brilhante, então de novo quando está fraca, e a diferença de brilho em cores diferentes nos diz do que o elemento interferente é feito – de poeira, gás, material de cometa, o que for. Isso vai ajudar muito”.

E Boyajian acrescenta que a observação a longo prazo através de todos os tipos de comprimentos de onda é imperativo para desvendar o mistério. Podemos estar à espera de um tempo para aprender o que está acontecendo lá fora.

Sabemos que existem cometas. Nós não sabemos se existe vida inteligente. Como Hillenbrand aponta, na ciência, a explicação mais simples geralmente é a mais provável.

Mas, mesmo que não sejam aliens, qualquer que seja a coisa estranha gigantesca orbitando esta estrela, provavelmente será fascinante.

Fonte: BlogCurioso
Copyright © 2015-2016. Todos os direitos reservados. The Scientific Universe! | Designed By Blogger Templates
Scroll To Top